Tomar melhores decisões: nossas leituras favoritas

Não existe uma decisão “direita” ou “errada”.
Tomar melhores decisões: nossas leituras favoritas
Tomar melhores decisões: nossas leituras favoritas

“Onde devemos ir para o almoço?” Sou flexível!

“Qual é o plano para esta noite?” O que você quiser!

“Você sente vontade de dirigir ou devo?” Uhhhhhhhh.

Perguntas como essas são a ruína da minha existência. Sei que parecem simples, mas para pessoas indecisas como eu, tomar decisões pequenas pode parecer uma grande luta. E se o lugar que eu escolho para almoçar for nojento? E se a barra que eu escolher acabar sendo chata? E se eu decidir dirigir e sofrermos um acidente?

Por razões óbvias, sou ainda pior em tomar grandes decisões, especialmente de mudança de vida sobre minha carreira. Selecionando minha especialização, decidir ir para a pós-graduação, descobrindo quando deixar meu primeiro emprego — Eu agonizei com essas escolhas por semanas. Eu corri cenário após cenário na minha cabeça, criando enormes “E se” montanhas que pareciam impossíveis de escalar.

Ao longo dos anos, descobri algumas dicas e truques para me ajudar a tomar melhores decisões. Sentado e identificando meus valores ajudou. Compreender a psicologia por trás da tomada de decisões também ajudou. Assim como aprender a confiar no meu instinto e gerenciar sentimentos de ansiedade.

Mas o que teve o maior impacto em mim é essa citação que descobri recentemente Professor de Stanford Ed Batista:

“É importante tomar boas decisões. Mas eu gasto muito menos tempo e energia me preocupando em ‘tomar a decisão certa’ e muito mais tempo e energia garantindo que qualquer decisão que eu tomar dê certo”.

Ler a perspectiva de Batista mudou toda a minha visão. Isso me fez perceber que não existe uma decisão “certa” e “errada”. Nossas vidas não são filmes. Escolher entre duas opções não resulta magicamente em dois universos paralelos – um em que somos felizes e outro em que somos infelizes. Nossas vidas se ajustarão a qualquer caminho que tomarmos. Nós nos ajustaremos.

Leituras recomendadas

As grandes decisões que impactam sua carreira
por Carol Hagh
Uma das melhores partes de estar no início de sua carreira é que você tem tantas opções disponíveis para você – setores, empresas e cargos que você pode explorar. Isso também pode parecer opressor. Como você sabe qual direção é a correta a seguir?

Como tomar melhores decisões sobre sua carreira
por Timothy Yen
Todos nós merecemos amar o que fazemos. Mas o caminho para encontrar esse trabalho nem sempre é claro. Essa estrutura de cinco etapas pode ajudar você a se concentrar no que é importante.

Como (e quando) dizer não às oportunidades
por Amantha Imber
Uma das escolhas mais difíceis que você pode fazer é dizer “não” a alguém, especialmente quando se trata de oportunidades no trabalho. Mas ser deliberado sobre o seu tempo pode ser a diferença entre uma vida bem-sucedida e gratificante, e uma que é significativamente menos.

Por que tentamos evitar decisões difíceis?
por Vasundhara Sawhney
Quando estamos apenas começando nossas carreiras e nos deparamos com escolhas difíceis sobre qual trabalho é certo para nós, ou mais amplamente, qual carreira é a certa para nós, como podemos nos capacitar para fazer escolhas com mais confiança?

Um Scorecard para ajudá-lo a comparar dois trabalhos
por Allison Rimm
Você tem uma grande decisão de carreira a tomar. Talvez você tenha recebido uma nova oportunidade empolgante, ou talvez tenha sido infeliz em seu trabalho e precise de uma mudança. Decisões como essas geralmente produzem um enigma: como tomar decisões importantes que equilibrem o crescimento da carreira com a satisfação nas outras partes da sua vida. Esse scorecard ajudará você a quantificar e visualizar os prós e os contras das escolhas à sua frente.

Gosta do que você vê? Este artigo foi adaptado de nosso boletim informativo semanal.


  • KA
    Kelsey Alpaio is an Associate Editor at Harvard Business Review.

  • Related Posts
    Os novos líderes do século XXI

    O melhor conselho que já obtive: Linda Mason, presidente e fundadora da Bright Horizons Family Solutions

    Quando meu futuro marido, Roger Brown, e eu me formei na Escola de Gerência de Yale em 1980, adiamos ofertas de emprego em consultoria de gerenciamento para executar programas de emergência em campos de refugiados cambojanos. O vietnamita havia invadido recentemente o Camboja e tocou o Khmer Rouge, e milhares de refugiados fugiram para a fronteira tailandesa. Eu consegui um [...]
    Leer más